sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Novo acordo ortográfico da Língua Portuguesa

Alfabeto
Nova Regra:


O alfabeto é agora formado por 26 letras.

Regra Antiga:

O 'k', 'w' e 'y' não eram consideradas letras do nosso alfabeto.

Como Será:

Essas letras serão usadas em siglas, símbolos, nomes próprios, palavras estrangeiras e seus derivados. Exemplos: km, watt, Byron, byroniano.

Trema
Nova Regra:

Não existe mais o trema na língua portuguesa. Apenas em casos de nomes próprios e seus derivados, por exemplo: Müller, mülleriano.

Regra Antiga:

agüentar, conseqüência, cinqüenta, qüinqüênio, freqüência, freqüente, eloqüência, eloqüente, argüição, delinqüir, pingüim, tranqüilo, lingüiça.

Como Será:

aguentar, consequência, cinquenta, quinquênio, frequência, frequente, eloquência, eloquente, arguição, delinquir, pinguim, tranquilo, linguiça.

Acentuação

Nova Regra:

Ditongos abertos (ei, OI) não são mais acentuados em palavras paroxítonas.

Regra Antiga:

assembléia, platéia, idéia, colméia, boléia, panacéia, Coréia, hebréia, bóia, paranóia, jibóia, apóio.

Como Será:

assembleia, plateia, ideia, colmeia, boleia, panaceia, Coreia, hebreia, boia, paranoia, jiboia, apoio.

Obs: nos ditongos abertos de palavras oxítonas e monossílabas o acento continua: herói, constrói, dói, anéis, papéis.

Obs2: o acento no ditongo aberto 'eu' continua: chapéu, véu, céu, ilhéu.

Nova Regra:

O hiato 'oo' não é mais acentuado.

O hiato 'ee' não é mais acentuado.

Regra Antiga:

enjôo, vôo, corôo, perdôo, côo, môo, abençôo, povôo crêem, dêem, lêem, vêem, descrêem, relêem, revêem.

Como Será:

enjoo, voo, coroo, perdoo, coo, moo, abençoo, povoo,creem, deem, leem, veem, descreem, releem, reveem.

Nova Regra:

Não existe mais o acento diferencial em palavras homógrafas.

Regra Antiga:

pára (verbo), péla (substantivo e verbo), pêlo (substantivo), pêra (substantivo), péra (substantivo), pólo (substantivo).

Como Será:

para (verbo), pela (substantivo e verbo), pelo (substantivo), pera (substantivo), pera (substantivo), polo (substantivo).

Obs: o acento diferencial ainda permanece no verbo 'poder' (3ª pessoa do Pretérito Perfeito do Indicativo - 'pôde') e no verbo 'pôr' para diferenciar DA preposição 'por' .

Nova Regra:

Não se acentua mais a letra 'u' nas formas verbais rizotônicas, quando precedido de 'g' ou 'q' e antes de 'e' ou 'I' (gue, que, GUI, qui) .

Regra Antiga:

argúi, apazigúe, averigúe, enxagúe, enxagúemos, obliqúe .

Como Será:

argui, apazigue,averigue, enxague, ensaguemos, oblique .

Hífen
Nova Regra:

O hífen não é mais utilizado em palavras formadas de prefixos (ou falsos prefixos) terminados em vogal + palavras iniciadas por 'r' ou 's', sendo que essas devem ser dobradas.

Regra Antiga:

ante-sala, ante-sacristia, auto-retrato, anti-social, anti-rugas, arqui-romântico, arqui-rivalidae, auto-regulamentação, auto-sugestão, contra-senso, contra-regra, contra-senha, extra-regimento, extra-sístole, extra-seco, infra-som, ultra-sonografia, semi-real, semi-sintético, supra-renal, supra-sensível.

Como Será:

antessala, antessacristia, autorretrato, antissocial, antirrugas, arquirromântico, arquirrivalidade, autorregulamentação, contrassenha, extrarregimento, extrassístole, extrasseco, infrassom, inrarrenal, ultrarromântico, ultrassonografia, suprarrenal, suprassensível.

Obs: em prefixos terminados por 'r', permanece o hífen se a palavra seguinte for iniciada pela mesma letra: hiper-realista, hiper-requintado, hiper-requisitado, inter-racial, inter-regional, inter-relação, super-racional, super-realista, super-resistente etc.

Nova Regra:

O hífen não é mais utilizado em palavras formadas de prefixos (ou falsos prefixos) terminados em vogal + palavras iniciadas por outra vogal.

Regra Antiga:

auto-afirmação, auto-ajuda, auto-aprendizagem, auto-escola, auto-estrada, auto-instrução, contra-exemplo, contra-indicação, contra-ordem, extra-escolar, extra-oficial, infra-estrutura, intra-ocular, intra-uterino, neo-expressionista, neo-imperialista, semi-aberto, semi-árido, semi-automático, semi-embriagado, semi-obscuridade, supra-ocular, ultra-elevado.

Como Será:

autoafirmação, autoajuda, autoaprendizabem, autoescola, autoestrada, autoinstrução, contraexemplo, contraindicação, contraordem, extraescolar, extraoficial, infraestrutura, intraocular, intrauterino, neoexpressionista, neoimperialista, semiaberto, semiautomático, semiárido, semiembriagado, semiobscuridade, supraocular, ultraelevado.

Obs: esta nova regra vai uniformizar algumas exceções já existentes antes: antiaéreo, antiamericano, socioeconômico etc.

Obs2: esta regra não se encaixa quando a palavra seguinte iniciar por 'h': anti-herói, anti-higiênico, extra-humano, semi-herbáceo etc.

Nova Regra:

Agora utiliza-se hífen quando a palavra é formada por um prefixo (ou falso prefixo) terminado em vogal + palavra iniciada pela mesma vogal.

Regra Antiga:

antiibérico, antiinflamatório, antiinflacionário, antiimperialista, arquiinimigo, arquiirmandade, microondas, microônibus, microorgânico.

Como Será:

anti-ibérico, anti-inflamatório, anti-inflacionário, anti-imperialista, arqui-inimigo, arqui-irmandade, micro-ondas, micro-ônibus, micro-orgânico.

obs: esta regra foi alterada por conta da regra anterior: prefixo termina com vogal + palavra inicia com vogal diferente = não tem hífen; prefixo termina com vogal + palavra inicia com mesma vogal = com hífen.

obs2: uma exceção é o prefixo 'co'. Mesmo se a outra palavra inicia-se com a vogal 'o', NÃO utliza-se hífen.

Nova Regra:

Não usamos mais hífen em compostos que, pelo uso, perdeu-se a noção de composição.

Regra Antiga:

manda-chuva, pára-quedas, pára-quedista, pára-lama, pára-brisa, pára-choque, pára-vento.

Como Será:

mandachuva, paraquedas, paraquedista, paralama, parabrisa, párachoque, paravento.

Obs: o uso do hífen permanece em palavras compostas que não contêm elemento de ligação e constiui unidade sintagmática e semântica, mantendo o acento próprio, bem como naquelas que designam espécies botânicas e zoológicas: ano-luz, azul-escuro, médico-cirurgião, conta-gotas, guarda-chuva, segunda-feira, tenente-coronel, beija-flor, couve-flor, erva-doce, mal-me-quer, bem-te-vi etc.

Observações Gerais

O uso do hífen permanece:

Exemplos:
Em palavras formadas por prefixos 'ex', 'vice', 'soto'
ex-marido, vice-presidente, soto-mestre.

Em palavras formadas por prefixos 'circum' e 'pan' + palavras iniciadas em vogal, M ou N:
pan-americano, circum-navegação.

Em palavras formadas com prefixos 'pré', 'pró' e 'pós' + palavras que tem significado próprio:

pré-natal, pró-desarmamento, pós-graduação.

Em palavras formadas pelas palavras 'além', 'aquém', 'recém', 'sem'
além-mar, além-fronteiras, aquém-oceano, recém-nascidos, recém-casados, sem-número, sem-teto .

Não existe mais hífen:

Em locuções de qualquer tipo (substantivas, adjetivas, pronominais, verbais, adverbiais, prepositivas ou conjuncionais).

Exemplos:

cão de guarda, fim de semana, café com leite, pão de mel, sala de jantar, cartão de visita, cor de vinho, à vontade, abaixo de, acerca de etc.

Exceções:

água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao-deus-dará, à queima-roupa.

4 comentários:

Ruiva disse...

Ah, quero não. Muito complicado isso.. prefiro do modo antigo. Pode ser?

Robs... disse...

hehe, concordo com vc minha infinita amiga Ruiva!

Nossa língua portuguesa já não era lá tão fácil, agora então! rsrs...

ps: "Ah, quero não" foi ótimo hein! Influência dos alunos?rs.

Bjs

Maria disse...

Exceto pelo hífen, que eu não conhecia as regras e continuarei não conhecendo (agora vai ser difícil saber o que junta e o que não junta), o resto eu vou continuar escrevendo tudo do mesmo jeito e que se dane o mundo. Não concordo que um presidente semi-analfabeto sancione um acordo contra a vontade de todo mundo.

Robs... disse...

Pois é minha amiga Maria.

Já era complicado, agora então! rs...

Só não pode-se perder o fascinio da nossa lingua portuguesa, acho a mais linda de todas!

Agora, qto ao presidente, seria a famosa "ironia" do destino um presidente semi-analfabeto sancionar uma lei dessa? Porque nenhum outro mexeu antes? Mistérios...